• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: CONHECER PARA COMBATER

A CUT/PA, e demais centrais sindicais (CGTB, CSB, CSP Conlutas, CTB, Força Sindical, Intersindical, NSCT e UGT), realizaram na sexta 08/fev, um SEMINÁRIO SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA.

Publicado: 11 Fevereiro, 2019 - 17h41 | Última modificação: 13 Fevereiro, 2019 - 15h48

Escrito por: CUT/PA

Arquivo CUT
notice
Convite para o Seminário sobre Reforma da Previdencia

Conhecer para combater a proposta do governo Bolsonaro de Reforma da Previdência. 

A CUT/PA, em conjunto com centrais sindicais, aprofundaram o olhar sobre a proposta de Reforma da Previdência, no dia 8 de fevereiro/2019, na sede do Sindicato dos Urbanitários/Pa, em Belém, evento que contou com a participação de mais de 250 pessoas interessadas no tema. 

O seminário foi um alerta para a classe trabalhadora sobre o fim da aposentadoria, proposto pelo Governo de Bolsonaro. O regime de capitalização previdenciária, deixará os trabalhadores sem aposentadoria e elevará os lucros dos empresários e banqueiros!

Na mesa de abertura representantes das centrais se fizeram presente. Pela CUT/PA, participou o Secretário de Organização Martinho Souza, que resume o significado da deforma:  "é um ataque à sobrevivência das famílias, dos municípios brasileiros que dependem desse recurso repassado, que faz circular a economia. E é mais lucro aos banqueiros, com o regime de capitalização. Martinho destaca ainda que  outro fator importante em relação à previdência, é a mudança que o governo do Bolsonaro pretende fazer, que será o de transformar o regime da previdência,  que hoje tem um caráter solidário, para um regime de capitalização, que beneficia o sistema financeiro, e no final o que o trabalhador vai receber, não vai dar pra sua sobrevivência até o final da vida. E conclui que o momento atual exige unidade dos trabalhadores e trabalhadoras, pois somente com a união do movimento sindical teremos força para derrubar essa deforma".

 O Seminário contou com os seguintes palestrante:

  • Federal Edmilson Rodrigues;
  • Dep. Federal José Geraldo;
  • Sindfisco Antônio Catete;
  • Advogados: Paulo Henrique (SINTEPP/PA) e Jullianny Geraldo (OAB/PA)

- Conheça aqui apresentação do Presidente do Sindicato Nac. dos Auditores Fiscais da Receita Federal no Pará - SINDFISCO/PA, Antonio Catete.

/public/system/uploads/ck/para/PREVID%C3%8ANCIA%20-%20Nenhum%20Direito%20a%20Menos_Antonio_Catete_2.pdf

 

 

A DEFORMA DA PREVIDÊNCIA SERÁ UM GOLPE MORTAL À CLASSE TRABALHADORA!

CUT E CENTRAIS SINDICAIS CONTRA O FIM DA APOSENTADORIA!

A reforma aumenta a IDADE MÍNIMA para a aposentadoria de homens e mulheres, sem levar em considerações as imensas desigualdades regionais no Brasil. Será a aposentadoria “pé na cova”, o trabalhador/a vai morrer sem se aposentar.

O regime previdenciário brasileiro não é deficitário como querem setores da imprensa, governo e banqueiros. O setor privado sonega aos cofres públicos cerca de 450 bi, constatou a CPI da previdência brasileira. Para o Senador Paulo Paim, não é admissível falar em déficit sem a prévia correção das distorções relativas ao financiamento do sistema.

PREVIDÊNCIA É O MAIOR PROGRAMA DE DISTRIBUIÇÃO DE RENDA.
A “Reforma” é uma insanidade e pode acabar com o maior programa de distribuição de renda do país. Hoje, em cerca de 4 mil municípios brasileiros, a Previdência é a principal fonte da economia e supera os repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). No Pará, mais de 100 municípios sobrevivem graças à previdência!

A previdência é um dos instrumentos de distribuição de renda e a maioria das aposentadorias pagas a 30 milhões de pessoas, 70% recebe um salário mínimo. Mas o governo Bolsonaro quer tirar o dinheiro do pagamento e reajustes das aposentadorias para a amortização da dívida pública.

A REFORMA DA PREVIDÊNCIA PARA AS MULHERES é uma tremenda injustiça. Elas têm a chamada “dupla jornada”, e por isso, têm mais dificuldade para completar o tempo mínimo exigido para acesso a aposentadoria, bem como a reforma é perversa para os TRABALHADORES E TRABALHADORAS RURAIS e ataca as pensões por morte. Portanto, a reforma do governo Bolsonaro não serve nem para os homens e, muito menos para as mulheres.
É HORA DE LUTAR! - Combate às fraudes e à sonegação fiscal - Fim das desonerações fiscais - Criação de Refis para a cobrança dos R$ 426 bilhões de dívidas ativas recuperáveis com a Previdência Social - Formalização do trabalho e combate à precarização - Menos juros, mais empregos!

Fonte: CUT/PA E SINDFISCO/PA

Edição: Maria do Carmo

carregando
carregando