• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

PT, PSB, PSOL e Rede se unem em bloco de oposição a Bolsonaro na Câmara

Mesmo com divergências programáticas, partidos afirmaram que pretendem se aglutinar para fortalecer luta progressista

Publicado: 01 Fevereiro, 2019 - 14h41 | Última modificação: 01 Fevereiro, 2019 - 14h48

Escrito por: Cristiane Sampaio - Brasil de Fato

Lula Marques/PT na Câmara
notice
Coletiva de imprensa do bloco de oposição que reúne PT, PSB, PSOL e Rede, na Câmara dos Deputados

PT, PSB, PSOL e Rede irão formar um bloco conjunto de oposição ao governo de Jair Bolsonaro (PSL) na Câmara dos Deputados, em Brasília (DF). O anúncio foi feito no começo da noite desta quinta-feira (31), véspera da posse da nova legislatura no Congresso Nacional.

“É importante dizer que isso é uma vitória da esquerda. Existem pontos em comum entre os partidos, que são comprometidos com a democracia e, portanto, comprometidos com uma oposição ao governo Bolsonaro, e tem a possibilidade de um diálogo intenso com a sociedade na luta contra as medidas deste governo, com independência total desta Casa em relação ao governo”, afirmou o deputado federal eleito Marcelo Freixo (Psol-RJ).

A decisão se dá após algumas semanas de articulação entre as legendas, que vinham dialogando sobre a possibilidade de unir os seus 98 parlamentares em um único grupo de oposição.

“Já somos um bloco que vai ter uma representação importante, tanto na mesa [diretora] quanto na composição das comissões da Casa”, disse o líder da bancada do PT, Paulo Pimenta (PT-RS).

O líder do Psol na Câmara, Ivan Valente (SP), afirmou que o bloco deverá oxigenar o movimento de oposição popular às pautas do governo Bolsonaro, que conta com o apoio, por exemplo, da bancada ruralista.  

“É um governo que quer retirar direitos dos trabalhadores, que é contra as liberdades civis, os direitos previdenciários, trabalhistas. É um governo machista, racista, homofóbico, e lutar contra isso nos une”, ressaltou.

O desafio do bloco agora é atrair o PCdoB e o PDT para o grupo. As duas legendas ainda não decidiram seus rumos dentro da configuração de forças da Casa.

Edição: Pedro Ribeiro Nogueira

FONTE: BRASIL DE FATO

carregando
carregando